sexta-feira, 31 de maio de 2013

Uma parte de mim!

Fiquei parado por um tempo ali, sentado na calçada e olhando para o nada, querendo não pensar em nada, mas se tornava cada vez mais inútil. Não consegui me concentrar de forma alguma, estranhamente seu perfume estava impregnado em mim, me desconcertava, me fazia sentir leves arrepios a cada lembrança sua, a cada memória que emergia, das quais eu nem me lembrava de tê-las. Apesar de ser estranhamente boa essa sensação, ao mesmo tempo se tornara aterrorizante, pois um medo me invadia. Eu me perguntava incansavelmente, se eu iria reviver esses momentos e se daria certo. Esse se me persegue a muito tempo, tento deixá-la de lado na maioria das vezes, mas insistentemente de forma irritante, ela resolve me acompanhar as vezes. Eu resolvi levantar e andar sem um rumo certo, me deixar guiar pelas emoções, sensações que surgiam ao longo do caminho. Acabei chegando numa praça, fiquei ali sentada, encostado numa árvore e esperei. Esperei o tempo passar, esperei o telefone tocar, esperei ouvir você sussurrar em meus ouvidos, me fazer soltar gemidos, com todas as coisas que você costumava me dizer. Sentir uma lágrima descer por meu rosto, logo as outras resolveram-lhe acompanhar, lhe fazer companhia diante da solidão. Deixei com que elas corressem livremente por meu rosto, por razões diversas e das quais algumas não faziam o menor sentido, mas eu as sentia tão íntimas, tão seguras com elas, que acabaram se tornando parte de mim, mesmo não as entendendo Eu não me entendia muitas vezes, mas ao contrário do que eu sentia, dizia, você me conhecia, extrai o melhor de mim. Enquanto eu estava ali, cabisbaixo, com meus olhos fechados, sinto um tocar suave em meus braços, um olhar terno do qual me fazia sentir completamente seguro, sem questionamentos ou medos bobos. Ficamos ali, apenas nos olhando por um momento, sem explicações ou questionamentos, apenas nos olhando. Logo nos levantamos, nossos dedos entrelaçados uns aos outros, matando as saudades de tempos passados. Seguimos dali, escrevendo mais uma história para quem sabe mais um final feliz para ser lembrando e compartilhado, por alguém que foi realmente muito feliz.

É isso

Bjo

Gente, esse texto é fictício, rs.
Contato: dilsantos@rockemail.com

15 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

é isso! cenas de uma vida comum a todos nós ...

FOXX disse...

nunca sei quando seu texto é real ou não...

Ro Fers disse...

Seus textos me faz viajar nos detalhes...

Bacana!

Wanderley Elian Lima disse...

Oi Dil
Deu pra viajar em sua narrativa. ainda bem que teve um final feliz. Adoro.
Bjux

Alex Pedro disse...

Gostei, parabéns.
Mas tenho que confessar que achei que o começo estava com uma poesia muito bonita, e acabou sumindo do meio pro fim. Você sabe encontrar formas bonitas de descrever sentimentos, sensações e experiências. Quando isso é o foco, fica lindo.

Carlos Vieira disse...

Tudo o que se espera: é um final feliz!

Bj

Latinha disse...

Esses perfumes que ficam impregnados em nós me dão medo... kkk

Geralmente eles são como passagens para muitas memórias.

Grande abraço!

Fred disse...

Delícia de se ler, Dil! 'Dorei, menino! Bjão!

Fred disse...

Ô meu querido doce de acarajé... hehehe... SUPER OBRIGADO pelas tuas palavras na passagem do meu níver!!! Valeu mesmo! Beijos!!!

Fred disse...

Dar água na boca é minha especialidade... djuuuuuuuuura, nzé? Hahahaha! Bjs!!!

Fred disse...

Dil sempre querendo TODOS os candidatos... tsc, tsc, tsc... seu insaciável! Hahahahaha! Bjos e bom finde, man!

Fred disse...

Ri alto com teu comment, meu amigo! Tua vibe "venenosa" me encanta... hahahahah! Boa semana, querido! Bjs!

Fred disse...

Mas a graça da coisa é justamente só poder escolher um, nzé? Hehehehe! Bjos!

Fred disse...

Médico - e gato - é coisa que muito me intere$$a... hahahaha! Bjos, queridãozão!

Fred disse...

Boa semana, Dil! E vamos atualizar?!?? Hehehehe! Bjs!