domingo, 29 de abril de 2012

Uma saudade!

As vezes sentimos uma saudade quase esmagadora das coisas, das pessoas, que a gente fica tentando acalmar, mas muitas vezes não conseguimos, muitas vezes precisamos tocar, sentir para que dessa forma essa saudade possa passar. As vezes temos uma saudade de alguém que não conhecemos pessoalmente, que nunca vimos ou mesmo que nunca ouvimos sua voz. Essa saudade, essa vontade vai acumulando de pouquinho em pouquinho, para quando esse momento chegar, possa enfim apreciar. Um abraço bem apertado é a coisa mais gostosa que há nesses casos, aquele abraço em que você esquece de tudo e possa se sentir protegido, amado. Por muitas vezes, acabamos sonhando com isso, com esses momentos especiais, esperando a hora de se realizar. Mas e quando é uma saudade de alguém que não podemos mais ver? De algo que não podemos mais ter? Dá aquele aperto no peito, uma vontade muitas vezes de chorar, sempre que lembramos de alguém especial que se foi. Nos resta apenas lembrarmos dos momentos bons, ir fundo em nossas lembranças e trazer a tona, aquele dia que te marcou, que foi uma delícia de viver. Aquele dia em que você riu horrores de algo banal que aconteceu, daquela maçã do amor que você comeu ou de alguma lágrima que você derramou e teve alguém especial que a secou.
Eu estava lendo o blog do Cesinha, o Efemerinetidades e me veio isso em mente, de certo modo acabou me inspirando, como há um bom tempo não andava inspirado. Muitas vezes quando passamos por momentos assim,  com essa falta de inspiração, ficamos meio perdidos, meio que parados em frente a uma folha branca esperando as vezes, meio que desesperadamente que algo venha em mente para preencher essa folha e nada. Muitas vezes, ela pode ser uma brisa a tocar sua pele, aí é tanta coisa que te vêem em mente, que faz parecer que derramaram em você um balde de inspiração, que te enxarca e te faz escrever compulsivamente, tentando não deixar escapar nada que está povoando sua mente, com medo dela dissipar.

É isso

Bjo

Contato: dilsantos@rocketmail.com




9 comentários:

FOXX disse...

faz tempo q não sinto saudades de alguma coisa. nenhuma boa lembrança sabe?

railer disse...

saudade dói, isso é verdade. mas nada como o tempo e as lembranças para fazerem parar de doer.

Peter disse...

Essa saudade, se dada na dose certa, até que faz bem. E para os que se foram, as boas lembranças sempre ficarão para o conforto...

Abração, meu querido!

Cesinha disse...

Eu servindo de inspiração? Quem me dera! Você já é inspirado por natureza. Mesmo que não queira, despretensiosamente, suas palavras vão fluindo e então surge um belo texto. E, cadê seus poemas? Saudades dos seus versos livres...

Beijos, meu lindo.

Frederico disse...

olha tenho várias saudades ehehehe
bjo boa semana :)

Serginho Tavares disse...

e eu to com saudade do senhor!
beijos

Margot disse...

Dil...também sinto saudades de quem não conheço. Coisa estranha néh? Vontade de abraçar... que bom que vc conseguiu transmitir isso, por no "papel". Isso nos alivia muito. Abraços

Fred disse...

Saudades: cada um sabe "a dor e a delícia" das suas, nzé? Hehehehe! Pois é menino... curti a vibe rural... mas só por umas horas, claro... hahahaha! Bjz!

Fred disse...

Um super findi - bem ventilado, hahaha - pra você, meu querido! Bjão!