domingo, 22 de julho de 2012

Primeiros versos!

Um dia sentado ali no chão da calçada
Na porta de casa
Escrevi meus primeiros versos
Fui colocando um pouco de tudo
Um pouco de amor e paixão
Uma pitadinha de medo, de solidão
E versos singelos, um tanto quanto dispersos
Pareciam transbordar do chão
Eu queria transmitir o que sentia
O que eu queria
Hoje, olhando-as ali escondidos, meio que perdidos
Vejo que muita coisa não mudou
Aquela inocência, ingenuidade de certo modo
Continuam, mesmo que em menor quantidade
Os sonhos e desejos cresceram, ocupado um pouco mais de espaço
Os medos infelizmente ou felizmente
Permanecem e vira e mexe resolvem ressurgir
Amor, paixão, esses continuo a levá-los em meu coração
Espero um dia poder compartilhar
E uma singela declaração escutar
Como um sempre vou te amar

Esse poema eu o encontrei meio perdido e incompleto, esperando um pouco mais de inspiração para completar, um pouco mais de sentimento a depositar.
Gente, novamente estou concorrendo ao prêmio TopBlog 2012 e espero ganhar esse ano, conto com a ajuda de vocês para isso. É fácil, é só clicar aqui que você irá direto para a página de votação ou clique no selo do lado direito da tela. Caso vote por e-mail, não se esqueça de validar seu voto, clicando no link que irá receber através dele. Então faça sua parte, vote e peça para seus parentes, vizinhos, colegas, amigos, amigos dos seus amigos, conhecidos e desconhecidos para votarem em mim, não se sintam constrangidos por favor, rsrsrs. Obrigado a todos.

11 comentários:

Otávio disse...

Gostei muito e espero que este amor e paixão vc possa dividir mesmo!! :)

FOXX disse...

vc merece ter sempre mto amor e paixão.

Cesinha disse...

Como sempre, muito lindo e sensível o poema. Com relação aos medos... todos temos! Mas, o que seria uma vida sem medos, né?

Beijos.

Frederico disse...

Muito bonito!!!

Fred disse...

A gente adora esse Dil cheio de amor e sensibilidade! Lindão, gatão! Bjs!

Lucas disse...

Se esses foram os primeiros versos, já começou super bem! Agora é tratar de reunir tudo para uma antologia... o que acha?

Beijos.

Fred disse...

Eu achei o filme bemmmmmmmmm legal, querido! Acho que vais curtir! Bjs!

Carlos Roberto disse...

Par ao leitor, seu poema está concluído. Se ele dá sensação de continuidade é porque seu final é em branco. Deixar o fim livre é estender a obra para além dela, esse é o verdadeiro objetivo da literatura.

Emoção a ser inserida vai de cada um de nós, das esperanças vivenciadas. Se falta algo nele para você o reformule, se não consegue, é porque ele já deu o que tinha de dar, parte para outro. :D

Beijo meu lindão.

Margot disse...

Começou bem Dil... são lindos.
beijos

Fred disse...

Pode rir à vontade... afinal, tô aqui pra isso! Hehehehehe! Beijoooo!

Mikaele Tavares disse...

Oi Dil,

Eu estou de volta rsrs...É sempre bom poder ler seu blog. Gostei dos seus versos. Apesar de estar incompleto, é sempre bom a gente achar o que a nossa inpiração nos permitiu escrever um dia, né?

Voltarei sempre.

Bjs